01.06.2012 - Island que virou Universal

Seguimos mais uma vez para a sina de todos os dias. Estacionamento, Citiwalk...Minha cunhada resolveu ficar no hotel porque estava muito cansada, então éramos apenas nos três. O dia estava feio, cinza e chuvoso, mas quem está na chuva é para se molhar (ou quase isso).

A principio nosso roteiro era para irmos ao Island, mas quando pegamos para a esquerda começamos a ver que estava enchendo, enchendo, enchendo e notamos que se no primeiro dia que não estava tão cheio não deu para aproveitar, hoje daria muito menos, então invertemos e fomos a Universal novamente. Várias atrações não tinham sido feitas no dia anterior e repetiríamos de qualquer jeito, melhor que fosse estando vazio.

Resolvemos fazer o sentido contrário do primeiro dia, nos parecia o mais óbvio. E lembramos que o Bob Esponja estaria na loja dele para fotos. E corremos para lá, seria o primeiro personagem que o Mateus veria de forma efetiva, alguém que ele gosta realmente e eu estava ansiosa por isso.



O que eu achei de mais legal na loja do Bob Esponja é que está tudo a venda, do chão até o teto. Tudo mesmo. Todos os itens que fazem parte da decoração podem ser comprados, é evidente que são caríssimos, mas para quem gosta...Mas não consigo imaginar quem compraria uma poltrona falante do Bob Esponja para colocar em sua sala, mas existe gosto para tudo não é ?!


Mateus ficou tão empolgado com o Bob Esponja que adoramos a reação dele então saimos e entramos na fila de novo, estava tão cheio o parque, que já éramos o próximo novamente.

Fiquei muito feliz em ver a inclusão social, o rapaz que cuidava da fila do Bob Esponja era deficiente mental, de forma notável, porém se via a felicidade estampada em seu rosto. Conversou um monte conosco, nos contou de onde era, que era judeu e diversas outras coisas. Eu sou do tipo de pessoa que ainda acredito na humanidade sabe ?! Me sinto uma idiota as vezes. Mas fiquei muito emocionada em ver o rapaz trabalhando.

Combinamos que o último dia em cada parque, seria o dia em que faríamos todas as compras. Coisas bem úteis como se pode imaginar : Compramos pantufas, uma batata daquelas de montar para o Mateus, dominó para o Mateus, bonecos do Bob Esponja, imãs de geladeira, porta retratos, fotos, action figures para o marido, porta moedas, canetas e etc... O resultado foram 4 sacolas. E agora ? Bom vamos colocando no carrinho. Mas e a chuva ? Ah agora já era. Fechamos tudo como deu e socamos embaixo do carrinho. O difícil foi a briga para colocar São Paulo dentro do Rio de Janeiro.


E saimos dançando e cantando pela chuva a fora, mentira, saímos é correndo mesmo. Não tínhamos capas e nem guarda chuvas ainda. Na loja do Bob Esponja não tinha. Então o jeito era sair correndo, uma tarefa bem fácil para quem mal conseguia andar de tanta dor na perna.Mas eu não desisto nunca, vamos que vamos.

Meu marido é fã do Exterminador do Futuro (na verdade é do Shwhauhnneguer kkkkk, mas como não sei escrever o nome dele e estou com preguiça de entrar no Google neste momento, fica assim mesmo) e foi para lá que fomos.


Ao entrar, o Mateus começou com a história do medo novamente. E esta sem sombra de dúvida era a atração mais aguardada pelo meu marido. Ele aproveitou a espera para dar uma corridinha ao pipiroom e eu fiquei tentando converser o Mateus de que o medo era desnecessário, que era tudo de mentirinha e mimimi, mas acho que ele não acreditou muito nas minhas teorias. Ainda assim, não perdeu a oportunidade de fazer uma gracinha. Veja a foto :

E essas coisas ele faz de forma espontânea, o que o torna mais engraçado ainda. Eu morro de rir quando vejo essas fotos loucas dele rsrsrs. Isso porque tem só cinco anos. Então assistimos toda a introdução e seguimos para a sala de apresentação. Mas a no meio do show, quebrou, deu pau e puft !!! Tivemos de sair  meio corrido de lá, não entendi muito bem o que houve, mas enfim seguindo o fluxo. Marido ficou frustrado e fiquei chateada em vê-lo assim. Então ficamos zumbizando na loja, resolvendo o que iríamos comprar. Resolvemos comprar as capas de chuva e um guarda chuvas e depois voltar a loja porque compraríamos diversas coisas e o peso não ajudaria. Então saimos e voltamos a dança na chuva, agora mais chique, de poncho. HOHOHO.

Quando passamos pela entrada do Exterminador de novo, estava aberto (HA PEGADINHA DO MALLANDRO) então resolvemos entrar novamente. Entrei e sentei no chão, demorou, demorou e mensagens se alternavam, algumas diziam que começaria em dez minutos e outras diziam Desculpas mas estamos quebrados e mimimi. Pensar com a raiz nem sempre é fácil, coisa que eu sempre digo, então resolvemos esperar os tais dez minutos. E tã tã, funcionou. Conseguimos assistir. Desta vez faltou a moto é verdade, mas tudo bem, tudo era festa. Nos sentamos em um lugar maravilhoso e até eu que não gosto, adorei kkkk. Saimos de volta a loja e comprinhas o/
Desta vez foram poucas coisas : pulseiras para mim e action figures para o marido.

A fome bateu e resolvemos almoçar no Mel´s Drive In. Eu fui pedir e os meninos ficaram sentados.

Comemos e pela primeira vez o Mateus comeu o lanche dele inteiro, acredito que ele estava realmente com fome, coisa rara de se ver.

A chuva voltou e com ela seguimos andando, mais uma parada na loja para mais compras. Aí realmente foram mais coisas úteis : copos, canecas, imas de geladeiras, lápis, canetas, porta retratos, bloco de notas, roupas, bonecos e etc... Nunca mais faço isso na vida.

As sacolas que já eram muitas começaram a pesar, o Mateus estava com sono, a chuva não parava, já tínhamos visto tudo o que queríamos então decidimos que iríamos embora, porque ainda tínhamos toda aquela trajetória Citiwalk e estacionamento, Mochilas, chuva, quase dez sacolas, Mateus com sono. Estava mesmo complicado.

Fomos indo embora na sensação de missão cumprida, voltaríamos ainda mais um dia para o complexo, mas até aqui este parque tinha nos ganhado em toda parte visual.

A chuva não estava forte, mas estava chata, cansativa.

Saímos de lá e fomos para onde ? Nossa segunda casa nos EUA. O Walmart da Kirkiman.

Ficamos além de comprando, tirando fotos das coisas, porque é tudo tão grande que eu ficava impressionada e achava a maior diversão isso. Como caipira se diverte com pouco né ?! Para mim era tudo novidade, tudo divertido demais...

Terminamos o dia, eu imagino que assim, porque a minha memória é ótima e eu não tenho mais registros do que fizemos depois :/


Um comentário