Diário de Bordo - Primeiro Dia em Miami

Meu marido foi o primeiro ao acordar, na noite anterior não tinha noção da vista do nosso quarto. Eu amo ver o mar, como fazíamos dez anos de casados, ele me presenteou com uma suíte que era em "L", ou seja, era vidro de fora a fora e a vista era mar e piscina de fora a fora.

Então ele acordou e abriu as cortinas...



Acordei com essa vista maravilhosa, eu não tinha muita vontade de conhecer Miami, mas mediante esta vista agradeci a Deus por esta oportunidade. O quarto era enorme, haviam duas camas King, mesa para refeição, mesa tipo escrivaninha, tv, frigobar... O quarto chama-se Ocean View e são poucas quartos nesta configuração disponíveis, então ao fazer a sua reserva confirma disponibilidade.


Na madrugada fomos comprar lanche no Subway e compramos também para o café da manhã (fiquei um pouco assustada quando entrou uma menina com um biquini menor do que usam aqui e aparentemente drogada, acompanhada de um garoto com a bermuda no joelho, todo sujo, achei que eles iam assaltar a lanchonete, mas só forma comer também. É a mania de julgar pela aparência), mas voltando ao assunto...
Na piscina, rolava uma baladinha, com DJ e tudo e era possível ouvir o som, então eu e o Mateus nos vestimos e começamos a dançar pelo quarto e pular na cama, fizemos ainda uma guerra de travesseiros.

Depois, lembramos que tínhamos de comer e fomos tomar café da manhã...

E lá fomos nós em ritmo, é ritmo de festa.

A galerinha curtindo e dançando na piscina.

Nos trocamos e fomos passear, não tínhamos feito roteiro nenhum e nem pesquisado nada para Miami.


Eu estava encantada com o hotel, a decoração, o atendimento, achei lindo de viver.


Enquanto esperávamos o Alfred, nosso carro chegar, nos ofereceram esta água (que tem um nome e para variar eu esqueci), com flores e frutas então eu que sou uma pessoa aberta a novas experiências fui provar.

Então você toma esperando ser aquele momento maravilhoso da sua vida e se sente lambendo água do bueiro, eu tinha vontade de cuspir, mas eu não podia fazer isso, então fiz a fina né ?! Ai que horror. Ainda como mãe gentil que sou, perguntei se o Mateus queria um pouquinho, mas eu ri tanto que ele percebeu e tomou me fuzilando com os olhos.

- Mamãe porque você não me disse que era ruim ?
- Ué ?! Porque você tem de exprimentar comigo e nem exagera, nem é tão ruim assim rsrsrs.

E o carro chegou e o assunto foi encerrado.


O dia estava lindo e graças a Deus não estava tão quente como de costume.

A sensação que Miami passa é a de liberdade. E creio que Mateus sentiu a mesma coisa.

Aproveitamos para dar uma olhadinha na casinha dos "pobres" que ficava perto do nosso hotel

As casinhas tão humildes que chega a dar dó

E o Mateus só curtindo a vida adoidado. Salve Ferris.

Enquanto os que se dizem cantores no Brasil cantam a ostentação, os Americanos são a ostentação. Esse é só um dos brinquedinhos do Usher. Que estava estacionado na frente de uma mansão.

Enquanto isso, o Mateus...


Não queria nem saber de nada, só ouvir música e ficar lá em cima rsrsrs...

O ônibus de turismo de dois andares também tem em Miami, mas por íncrivel que pareça, quase sempre está vazio.

Fomos passear pela Collins até decidir o que faríamos. Era feriado por lá.


E o passeio seguiu, mas pelo feriado, muita coisa estava fechada. E as grades se devem pelo desfile de policiais na noite anterior.


O Trânsito estava lento, diversas ruas fechadas.

Mas nem com ruas fechadas e tudo parada, o Trânsito chega perto do nosso cotidiano.

Na Collins Avenue existe a Universal Music Latin America (eu nem sabia que existia, achava que era uma só para tudo, enfim)

E se você acha que as mulheres brasileiras usam roupas curtas, cavadas, escandalosas e etc. Exprimente ir para Miami, lá você verá que o que é usado aqui é normal.

O maiô dessa moça mais magra por exemplo cobre o que precisa ser coberto, o corpo é dela e ok. Cada um na sua. E lá é normal. E quando ela viu que eu havia fotografado, ela deu uma paradinha e sorriu. Ou seja, elas gostam de ser notadas.

Mateus observando o movimento na Lincoln Road.

Entramos na Forever XXI e comentei com o Mateus que queria umas roupas mais legais, modernas, diferentes. E ele me trouxe uma calça diferente. Ok. Mas não tanto filho.

Achei muita peça legal nesta loja. Eu já ouvia falar dela, mas nunca havia entrado, porque na minha outra viagem eu estava beeem acima do peso e tinha certeza que não acharia nada para mim, já desta vez...OBA. Muitas peças bacanas. Amei.

A hora que meu marido mais adora (sumir) a hora de pagar.

De lá estávamos com um pouquinho de fome, afinal já era por volta de umas (nem sei que horas), ah vamos no Starbucks. Pede lá você (sempre sobra para mim pedir) Mateus foi lá sentou, entrou no Wifi e abraço.

Tomou um Double Chocolate Chip e seguimos o passeio.

Foi o que ele precisava para recarregar as energias e sem querer achar uma coisinha para mim

Gosto pouco e precisei entrar só para dar uma olhadinha.

Mas a olhadinha de uma mulher, sempre termina aonde ? No caixa.

Decidimos que era hora de almoçar e nas minhas pesquisas de lanchonetes (esta parte eu fiz) descobri o Shake Shack que foi eleito a melhor hamburgueria, então sugeria que fossemos comer lá. Quando os meninos viram a Ferrari, quiseram fazer uma foto.


Andamos até a esquina e voltamos pela a outra calçada para finalmente almoçar

Achei estranho o fato de estar vazio, pois em todos os lugares que li dizia ter fila de espera, porém eu não sabia ter em Miami, foi meio ao acaso que encontrei. E disse ao marido, olha lá a lanchonete que tanto te falei, o que acha de comermos lá ? Ele topou.

O ambiente embora pequeno é bem aconchegante. Há um mesão, onde várias pessoas sentam juntas. um balcão com cadeiras altas e mais três mesas altas com quatro cadeiras cada uma. Sentamos em uma delas. Em uma parede do teto até o meio da parede há o cardápio escrito, então escolhemos o nosso lanche e o marido foi lá pedir. Em Miami quase nenhum lugar aceita Travel Check, lá eles aceitaram.Então aproveitamos para trocar.


A batata desta lanchonete é maravilhosa, muito, muito, muito boa, mas uma porção dá para duas pessoas. Eu pedi um double x burguer, o Mateus um xburguer e o marido um x salada. Muito bom o lanche. Realmente merece o prêmio de melhor lanchonete. Bate fácil o Five Guys.

Terminamos de comer, voltamos pela Lincoln Road. Mas muita coisa já estava fechando.


Marido entrou um pouco na Apple para dar uma olhada, eu nem quis, porque tinha me despedido do meu Iphone e estava com meu Galaxy S4, não queria sofrer de remorso. Então fiquei do lado de fora.
Logo depois, resolvi entrar em uma loja de tênis, porque eu precisava de um. Mas só achei tênis estranhos, tipo esse, que eu jamais teria coragem de usar.


Decidi comprar meu óculos, estava querendo já algum tempo, mas no Brasil não compro nem a pau. Achei o que eu queria e pronto, um problema a menos.

Resolvemos voltar para o "Alfred", o carro que chamávamos de nosso por lá e resolvemos ir dar uma volta por outros lados.

Lembrei do Miami Ink, mas esqueci que era feriado. Fiz meu marido ir até lá, mas...

Quando chegamos, estava fechado. Fiquei frustrada. Achei que ia conseguir ver aberto e tirar fotos lá dentro.

Só que não.



Parou uma viatura lá e resolvemos tirar uma foto, afinal o carro da polícia, é igualzinho a daqui.

O mais legal de Miami é que é uma cidade em que você vê de tudo o tempo todo.



Tipo carros com rodas diferentes, carrões, carros que pulam, cantam e dançam e tudo o mais... O negócio lá é quente...

Seguimos para South Miami

Estacionamos, pagamos o "valet" eletrônico por uma hora. É um serviço como se fosse de zona azul, porém você mesmo vai na máquina e faz tudo, paga com cartão e pronto.


Entramos na praia e fomos dar uma caminhada.

A praia em algumas partes estava suja com papéis e garrafas. E aí me pergunto porque falam mal dos brasileiros, sendo que nos países de primeiro mundo também existem pessoas porcas. Ou seja, ser porco é feio em qualquer lugar do mundo. Mas não é só o brasileiro quem faz isso.


E eu fui andando na frente, porque já estava me incomodando ficar lá (quando vejo a areia suja, começa a me dar coceira)

Saindo de lá resolvemos ir andar de bicicleta. Mas ficamos em dúvida do que faríamos com o Mateus. Já que não tinha como ele andar, não tinha cadeirinha, mas tinha o que ? A cestinha. Idéia de quem ? Dele é óbvio. Fiquei morrendo de medo, mas..


Um canal de TV estava fazendo filmagens lá na rua, estava rolando mó som com dj e tudo, galera dançando gente sendo instruida do que fazer. E o Mateus lá, firme e forte, não bastando ir na cesta, ainda tinha de filmar. Que medo, meu coração na boca.


Meu marido me deixou mais tranquila dizendo que seguraria ele. Então eu meio que relaxei, porque eu confiava nele e sabia da força.

Andamos, andamos e andamos. Ficou escuro e até a filmagem acabou.

Paramos na casa do Versacce.


Tinham uns rapazes lá que fizeram 2893029808908 fotos, meu marido já estava querendo ir embora. Imagina, até parece que eu ia sair de lá sem tirar uma foto. Então, em um momento em que eles foram trocar de lugar e trocar a máquina eu fui lá rapidinho.

 Na casa hoje, funciona um hotel $$$$

Eu não teria coragem em passar a noite lá, mas é aquilo, não tem coragem em passar a noite, mas tem coragem em tirar a foto. Vai entender ?!

Voltamos ao nosso passeio. As bicicletas, poderiam ser devolvidas em qualquer um dos pontos de devolução da cidade, bastava fazer a manutenção na máquina, mas como nosso carro estava no ponto inicial, resolvemos que iríamos até lá. E outra, o passeio estava maravilhoso, embora a gravação tivesse acabado de terminar e estava um inferno para conseguir passar em meio aquele mundo de gente simpática.

Conseguimos depois de muita luta, voltar para a calçada e consequentemente para a ciclovia. Os meninos acharam um banheiro e foram fazer xixi. E eu fiquei ali, com as bicicletas, sozinha, com medo. Sempre que fico sozinha, fico morrendo de medo, isso é um detalhe.


Na volta para "casa" passamos pelo hotel Carlisle. Eu fiz o marido parar porque eu queria tirar uma foto, afinal não é todo dia que você encontra o hotel do pai do Edward por aí... não é mesmo ?


E assim termina a nossa noite. Voltamos para o hotel.

Nome do Hotel - Miami Beach Spa & Resort
Suíte - Ocean View
Endereço - 4833 Collins Avenue
Estacionamento - USD 28 por noite
Café da Manhâ - USD 25 por pessoa por dia
Taxa de Resort - USD 15
Tem piscina e acesso preferencial a praia.
Todos os quartos tem ar condicionado e cofre
 Frigobar (que vc paga para usar).
Secador de cabelo
Cafeteira e tábua de passar com ferro havia em nosso quarto, mas não sei se há em todos.
Recebem encomendas e nos cobraram de USD 5 a USD 10 por pacote (mas foram apenas 3 e pequenos)




4 comentários

  1. AHH que demais gata! Não sabia que tinha feito um blog, ameei a ideia!
    Pode me mandar sempre as atualizações!
    E que sonho hein Miami, já havia acompanhado pelo facebook, e depois de ler aqui e tal, com certeza entra na lista de "desejados" hahah
    super beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. OI Tainá, primeiramente obrigada por sua visita e que bom que gostou. Este foi só o primeiro dia de viagem, tem muito mais, pode deixar que te aviso sim.
      Beijos

      Excluir
  2. E-ba! Novos relatos. Adoro! ((:
    Estou contente que o clima tenso acabou e vocês enfim puderam aproveitar a valer \o/ ~~~
    Estou aguardando mais!! *_*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Alê, tudo bem ? Já era hora né ?!
      Essa semana tem mais, prometo e te espero por aqui.
      Beijos e obrigada pela visita.

      Excluir